bannernews.gif (99027 bytes)

ARTIGOS EVIRT

bannerpleno.gif (26914 bytes)

Antonio  Andrade

 

 Valorização da meia idade

 

O tempo de vida é a maior riqueza que o ser humano tem. Benjamin Flanklin já afirmava: "Tu amas a vida? Então não percas tempo, porque é deste material que a vida é feita". E Jeofrastro afirmava: "O tempo é tudo quanto há de mais valioso que o homem pode gostar".

O tempo de vida é realmente importante para o ser humano pois um dia ele nasceu e um dia essa sua vida acabará, pois a vida do ser humano é finita, não é eterna, pelo menos nesta vida terrena.

O ser humano gasta a maior parte de sua vida, em atividade de sobrevivência, fazendo alguma coisa que lhe dê as condições para continuar vivendo, ganhando o sustento de sua vida. Com o desenvolvimento tecnológico acelerado dos tempos atuais, verdadeiras revoluções tecnológicas têm afetado a atividade de sobrevivência dos seres humanos, provocando ondas crescentes de desemprego, levando ao desespero milhões de seres humanos, em todos os países.

E há uma coisa que agrava toda essa situação, em especial no Brasil: não há vagas para quem passou dos 40 anos. Parece que o ser humano, no Brasil, começa a envelhecer aos 35 anos de idade, quando as portas dos empregos começam a se fechar a ele. Bons candidatos demitidos por outras empresas, em redução de seu quadro de pessoal, normalmente não são aceitos por outras unicamente porque "passaram dos 40 anos de idade". Essa situação os faz "morrer por dentro", pois sentem-se pessoas descartáveis na vida, sentem que o mundo não quer mais eles, sentem que o mundo parece não precisar mais deles.

Em muitas situações da vida nacional acontece essa discriminação da idade, resultado de mero preconceito porque a sociedade (cada um de nós) convencionou que as pessoas que se aproximam da meia idade não têm o mesmo vigor, o mesmo rendimento e poder criativo do jovem. Isso acontece apesar de já ter sido provado à exaustão, pela ciência que a verdade é bem ao contrário: é a partir dos 40 anos que o ser humano atinge o seu grau máximo de capacidade de trabalho e de encontrar soluções para problemas difíceis.

Essa tese encontra apoio na simples constatação de que os homens e mulheres que exercem alguma influência na política, nas artes, na economia, na imprensa, no campo científico e em muitas outras áreas, em sua maioria absoluta, estão acima da chamada "idade jovem", que no consenso popular significa ter "menos de 30 anos de idade".

Parece que o cerne do problema de que "Não há vaga para quem passou dos 40 anos" está em interesses consumistas. De fato, num mundo onde a maioria é constituída por jovens, seria inevitável que os especialistas em estratégia de marketing desenvolvessem todas as suas técnicas no sentido de atender os gostos e interesses da faixa jovem, que não só é mais suscetível a apelos como - exatamente por ser a maioria - é a que mais consome. É só abrir jornais e revistas e constatar isso em reportagens ou ligar a TV e verificar que os anúncios são feitos, em sua maioria, por jovens e para os jovens.

Visando tentar mudar essa situação, é publicado a seguir a mensagem: "Um gato procura emprego... ou confie em alguém com mais de 40 anos". Essa mensagem objetiva despertar no leitor, em especial nas empresas, para a necessidade de valorização de candidatos que já passaram dos 40 anos de idade.

O importante é você ler a história a seguir, de autor desconhecido, e refletir sobre o assunto. E fazer alguma coisa, em sua esfera de atuação e decisão, para ajudar a mudar essa situação em nossa sociedade brasileira. Afinal, nessa história, qualquer semelhança com flagrantes da vida real NÃO É mera coincidência...


Um gato procura emprego...
ou, confie em alguém com mais de 40 anos

(adaptada de história de autoria desconhecida)

     Certa vez, o Sr. Gato perdeu o emprego. A empresa em que ele trabalhava não estava em boas condições financeiras. Presumia-se que dentro de pouco tempo ela iria fatalmente à falência. Em face disto, quase todos os funcionários estavam sendo mandados embora. Por infelicidade, o nome do Sr. Gato fora incluído na primeira lista de dispensa. Situação desagradável. Ele já estava trabalhando nessa empresa há vinte anos. Assíduo, dedicado, metódico, em sua Ficha Funcional não havia advertências ou quaisquer outros fatos desabonadores à sua conduta profissional ou moral. Antes, pelo contrário, havia boas referências, elogios e, inclusive, indicação para promoção.
     Ah! Quantas vezes ele tinha ido "enfrentar o batente" até mesmo sem condições físicas satisfatórias. Acordava às 6 horas da manhã, tomava um parco café sem leite, pois embora fosse o Sr. Gato, não gostava muito de leite. Também, leite não "andava dando sopa" - e lá ia ele para o ponto de ônibus circular, temendo chegar atrasado no seu emprego. Todos os dias era a mesma rotina. Para ser sincero, ele já estava cansado daquela vida porém, a sua família, os compromissos que tinha e principalmente, a esperança de dias melhores, o faziam seguir em frente, sempre com um singelo sorriso nos lábios. Durante esses vinte longos anos de trabalho na mesma empresa, ninguém jamais viu o Sr. Gato enervado ou mesmo triste. Sempre jovial e solícito, tinha uma palavra amável para todo aquele que o procurasse. Cá entre nós, até os "ratos" da empresa, embora o temessem, reconheciam nele uma atitude profissionalmente correta. Por aí se nota que o Sr. Gato era realmente benquisto por aqueles que o rodeavam. Contudo, crise é crise! E esta que assolava a empresa não estava pra brincadeiras. Não havia lugar para sentimentalismos. Todos, de gato a rato, deveriam ser dispensados.
     Desempregado, o jeito era sair por aí procurando emprego. Os compromissos não esperavam. Não era dado a ler jornais. As poucas vezes que lia preferia mesmo a história em quadrinhos. Era bem mais divertido. Vibrava quando o mocinho acertava o bandido. Bem, agora o jeito era consultar os classificados de empregos. Dando um suspiro de resignação, o Sr. Gato começou a folhear os jornais. - Puxa, que maravilha! Quantas ofertas de emprego" Realmente, muitas ofertas de emprego, porém quase nenhuma classificada para ele. Coisa engraçada, ponderou meio desalentado. Notou que em quase todos os anúncios, depois de oferecerem mil e uma oportunidades, havia uma frase em letras miúdas que dizia: Preferência por pessoas até 35 anos. E agora, Sr. Gato? Em tempo: O Sr. Gato contava, no momento, com 42 anos de idade.
     Mesmo assim, o Sr. Gato não se fez de rogado. Quis constatar "in loco", até que ponto aquela frase seria válida. Os jornais costumam fantasiar um pouco - pensou ele - além disso um profissional com mais de 20 anos de experiência não é de se jogar fora. Recortou alguns anúncios e depois de uma verdadeira peregrinação por várias empresas, constatou malgrado seu, que estava condenado ao desemprego. As respostas que obtinha eram unânimes. Lugubremente unânimes: - Realmente, o Sr. parece conhecer muito bem o trabalho e como realizá-lo. Porém, para este cargo, a empresa está dando preferência a pessoa mais jovem. Quem sabe em outra oportunidade...
     Cabisbaixo, pela primeira vez com o cansaço e a tristeza estampados na face, o Sr. Gato voltou para casa. Hoje, o Sr. Gato está enviando o seu Curriculum detalhado com sua experiência para outras empresas, inclusive indicando suas pretensões salariais que, aliás, são normais para as experiências que ele possui. Talvez um dos Currículos dele chegue às suas mãos, em sua empresa ou instituição. Quem sabe ele possa preencher os requisitos da sua vaga. Há apenas um detalhe. Como já vimos, o Sr. Gato tem 42 anos de idade. Serve?
     Dizem que os gatos têm sete vidas. Assim, somos levados a crer que um Sr. Gato com 42 anos de idade ainda não está no fim de sua vida. Tem muita vida pela frente. Você não acha?

 

 


[Volta]